Botânica de Campo

A Disciplina “Botânica de Campo” tem como responsáveis dois dos maiores especialistas na flora do Pantanal, os professores Dr. Arnildo Pott e Dr. Geraldo Alves Damasceno Júnior, docentes do quadro permanente do PPGBV desde 2004. Nos cinco primeiros anos do PPGBV o curso foi oferecido na Base de Pesquisas do Pantanal (BEP) e explorado diferente formações vegetacionais do Pantanal ao redor da BEP como o paratudal, matas ciliares, campos inundáveis, capões, carandazal e canjiqueiral. Em Corumbá, a vegetação ao redor da cidade foi analisada, a qual difere bastante daquela encontrada no Pantanal: áreas chaquenhas, florestas estacionais decíduas e semidecíduas, cerrados, campo limpo de cerrado e bancadas lateríticas nos municípios de Corumbá e Miranda (MS).  Após esse período, a disciplina Botânica de Campo foi ainda oferecida na fazenda Alegria no Pantanal da Nhecolândia (2009 – Corumbá-MS), na Serra do Amolar (2010 – Corumbá-MS), BEP (2011 – Corumbá-MS), Parque Nacional da Serra da Bodoquena (2012 – Bodoquena-MS), Corguinho (2013 – Corguinho-MS), Piraputanga e Nova Andradina (2014 – Aquidauana-MS e Nova Andradina-MS), Parque Estadual das Várzeas do Rio Ivinhema e Parque Estadual Nascentes do Rio Taquarí (2015 – Taquarussu, Jateí e Naviraí / Costa Rica e Alcinópolis-MS), Miranda e Campo Grande (2016 – Miranda e Campo Grande-MS) e Parque Estadual Nascentes do Rio Taquarí (2017 – Costa Rica e Alcinópolis-MS). Nas 14 edições da disciplina foram coletados em todas as formações vegetacionais de Mato Grosso do Sul, resultando em grande incremento da material biológico para estudos da biodiversidade e conhecimento das plantas do estado.

Todas as exsicatas resultantes das coletas deste curso foram depositadas no Herbário CGMS. Estima-se que nas 14 edições da disciplina, cerca de 15 mil exsicatas foram depositadas no Herbário CGMS, mais de mil coletas por edição. Nas últimas edições da disciplina, cerca de 1500 exsicatas foram depositadas a cada ano no herbário CGMS, enriquecendo ainda mais o conhecimento sobre a flora do MS e mostrando um avanço no número de material depositado no herbário CGMS.  

Embora os resultados deste curso sejam difíceis de serem publicados em revistas de alto impacto, nos últimos anos alunos e professores têm se mobilizado em publicar listagens das espécies em revistas especializadas e guias de campo. Só para salientar, nas edições de 2015 e 2017, 12 novas ocorrências de plantas foram registradas nas coletas da disciplina para o Mato Grosso do Sul, sendo que uma destas coletas é uma nova ocorrência para o Brasil. Duplicatas de novas espécies de Liquens também já foram coletadas na disciplina. Como resultado da edição de 2015 e 2017, alunos e professores, juntamente com funcionários do Instituto de Meio Ambiente do Mato Grosso do Sul (IMASUL) estão elaborando um manuscrito intitulado “Novas ocorrências de plantas para Mato Grosso do Sul”, além de dois livros com a “Guia de Campo do Parque Estadual das Várzeas do Rio Ivinhema” e “Guia de Campo do Parque Estadual Nascentes do Rio Taquarí”.

O material coletado tem contribuído também em outros trabalhos, como em revisões taxonômicas, e em estudos de Fitoquímica e Anatomia, por exemplo. Em 2015 e 2017 a disciplina contou com a participação de funcionários do IMASUL como participantes da disciplina e colaboradores na logística nos locais de coleta. Já em 2018, a disciplina foi realizada no Parque Nacional da Serra da Bodoquena em Bonito-MS.

Outras disciplinas como “Ecologia Vegetal” e “Tópicos Especiais – Ecologia de plantas aquáticas”, com extenso trabalho de campo, resultaram nos últimos anos publicações conjuntas entre docentes e alunos/egressos do PPGBV. Podemos destacar até o presente para o quadriênio 2017-2020 a publicação de oito artigos que tiveram seus dados coletados em disciplinas

 

Além dos trabalhos já publicados, diversos artigos estão submetidos ou em preparação, fruto de extensos trabalhos de campo em disciplinas do PPGBV, especialmente nas disciplinas Ecologia Vegetal, Botânica de Campo e Ecologia de plantas aquáticas. Tais atividades demonstraram serem importantes para a integração entre professores e alunos com contribuições fundamentais para a formação dos discentes e melhoria dos trabalhos de dissertação.

A disciplina Biologia da polinização e reprodução de Angiospermas, da docente permanente Maria Rosângela Sigrist, tem desenvolvido atividades práticas com a produção de perguntas e consequente manuscrito. Apenas nos últimos três anos, dois artigos e três resumos já foram publicados nas atividades.

 

 

 

 

 

Ementa da Disciplina

Guia Botânica de Campo_Alunos_2019