Linhas de Pesquisa

Área de concentração

I – Sistemática, Ecologia e Diversidade Vegetal

 

Linha de Pesquisa 1) Sistemática e Diversidade de Plantas e Fungos

Esta linha de pesquisa compreende estudos relacionados à biodiversidade de plantas e fungos, dedicados a inventariar, descrever e compreender as relações filogenéticas e biogeográficas entre os organismos. As áreas de atividades contempladas nesta linha são: “Sistemática, Taxonomia e Florística” que envolvem pesquisas em diferentes vertentes da taxonomia desde a descoberta, descrição e classificação das espécies e grupos de espécies de plantas e fungos, bem como florística, floras regionais e revisões taxonômicas de espécies neotropicais e também daquelas com ampla distribuição; “Genética de Populações, Análises Filogenéticas e Filogeografia de plantas e fungos” contemplam análises de plantas e fungos neotropicais, com foco especial nos grupos de espécies distribuídas no sistema Cerrado-Pantanal-Chaco, além de grupos taxonômicos de distribuição mundial; “Diversidade estrutural” engloba análises morfológicas e anatômicas – qualitativas e quantitativas – e histoquímicas, empregadas para compreender as relações ecológicas e evolutivas das espécies vegetais e sua interação com o meio, abrangendo espécies de distintos taxa e formações vegetacionais, focando nas adaptações e na plasticidade fenotípica das espécies. Os dados gerados nesta linha de pesquisa contribuem para o conhecimento da biodiversidade brasileira e subsidia políticas voltadas à conservação e ao manejo da flora.

Linha de Pesquisa 2) Ecologia, conservação e uso dos recursos vegetais

Esta linha de pesquisa objetiva entender os padrões e processos ecológicos vegetais, contribuindo para a conservação dos ecossistemas. Como resultado, estes estudos podem resultar em medidas úteis para definição de políticas públicas relacionadas à conservação e uso sustentável da biodiversidade bem como a recomposição de áreas antropizadas. As áreas contempladas nesta linha são: “Ecologia de populações e comunidades vegetais” envolvendo estudos em nível de populações e de comunidades vegetais para identificar aspectos das relações da vegetação com fatores físicos, as interações entre as espécies vegetais entre si e com a fauna, bem como a compreensão dos padrões genéticos, macroecológicos, biogeográficos e evolutivos da vegetação; “Etnobotânica, uso e conservação dos recursos naturais” que abrange estudos interdisciplinares das aplicações do conhecimento científico e tradicional sobre plantas nativas e cultivadas, contribuindo para o desenvolvimento sustentável e o entendimento da interação das populações humanas com a vegetação, seus possíveis usos e as consequências das mudanças climáticas e/ou causadas por manejo humano sobre a flora.

Área de Concentração

II – Fisiologia, Bioquímica e Fitoquímica

Linha 1) Fisiologia, Bioquímica e Fitoquímica

São avaliados e descritos os aspectos fisiológicos e ecofisiológicos das plantas, e trabalhada a prospecção de compostos bioativos de espécies nativas especialmente daquelas presentes no sistema Cerrado-Chaco-Pantanal. Nesta linha, a áreas de atividades “Fisiologia de Plantas” objetiva avaliar aspectos ecofisiológicos de espécies nativas e cultivadas, especialmente de sementes e mudas, quanto aos seus aspectos físicos, fisiológicos e sanitários, visando definir parâmetros técnicos para produção e plantio, além de avaliar suas respostas aos efeitos do fogo e alagamento; “Bioquímica e Fitoquímica” que visa a bioprospecção de espécies nativas e o controle de invasoras de pastagens nativas, além de aspectos da ecologia química, entre outros. Um dos objetivos desta linha de pesquisa é fornecer informações básicas para a proposição de alternativas de manejo para recuperação de áreas degradadas, exploração sustentável da flora nativa e agregação de valor às espécies nativas, especialmente do Sistema Cerrado-Pantanal-Chaco.